RESUMO

A história começa com alguns navegantes que acreditavam em encantos de sereia. Para eles o humor do rei Tritão tinha influência sobre os mares.

O rei Tritão conduzia festas em que suas filhas cantavam . Ele ficava especialmente entusiasmado com sua filha Ariel, que não aparece para os ensaios mas tem uma linda voz.

Ariel tem um peixinho chamado Linguado, que é seu companheiro. O peixe tem medo de se arriscar em aventuras da sereia, mas ela sempre o convence . Ariel coleciona objetos da humanidade que encontra em navios naufragados. Ela tem uma gaivota que a ajuda a identificar, erroneamente, a utilidade dos materiais que encontra.

Úrsula, a bruxa dos mares, observa Ariel e a vê como um possível instrumento para a destruição do rei Tritão.

O rei segue o conselho de Sebastião (seu siri escudeiro) de manter a sereia sob controle. Ele fala para o siri vigia-la. Este descobre uma caverna repleta de itens do mundo humano . A sereia diz ser uma menina que parece ter tudo, mas anseia por mais. Ela quer estar onde estão as pessoas. Ela quer fazer parte do mundo dos humanos.

Em uma festa no barco, Ariel nada até  a superfície e vê pela primeira vez o príncipe Eric, que a deixa encantada. Eric ganha uma escultura de si mesmo em sua homenagem. E o homem que a mandou fazer fala que esperava entrega-la em seu casamento. Mas o príncipe não encontrou a mulher certa ainda. Seu barco naufraga e a pequena sereia o salva. Ela canta para ele que fica encantado com sua linda voz.

A bruxa percebe sua oportunidade, fácil demais, de derrotar o rei. A paixão da sereia por um príncipe humano vai facilitar as coisas para que a bruxa ponha seu feitiço sobre ela.

Ariel fica sonhando com a vida na terra e pensando em como encontrar o príncipe. Sebastião a alerta que a grama do vizinho é sempre mais verde e que a vida é ótima em baixo do mar. Ariel consegue a estátua de Eric e seu pai descobre sua caverna. Em um ataque de fúria destrói tudo com seu tritão.

Duas enguias visitam Ariel e propõe ter todos os seus sonhos realizados se ela visitar a bruxa dos mares. Ela se recusa inicialmente, mas acaba cedendo.

Ursula, diz à pequena sereia que a única maneira de conseguir o que ela quer é se tornar humana. Seu papel é ajudar pobres almas sem ter a quem recorrer. O trato é ela se tornar humana e o príncipe deve beija-la em três dias. Mas se não fizer isso Ariel volta a ser sereia e passa a pertencer a bruxa para sempre. Como pagamento a sereia deve dar sua voz para Ursula. Ela diz que os humanos não gostam de mulheres que falam muito, preferem as quietas.

Ariel assina o trato com Ursula, que pega sua voz e lhe da pernas no lugar de sua barbatana. Eric encontra a pequena sereia e tenta lembrar dela, mas quando vê que ela não tem voz, conclui que ela não poderia ser quem ele pensou. Leva-a para seu castelo. No jantar a convidada usa o garfo para pentear seu cabelo.

Os humanos comem peixes e siris. Ariel salva Sebastiao de ser devorado por eles. Está admirada com o mundo terrestre. Seu pai a procura por todo lugar. Ela age como criança com suas novas descobertas. O príncipe leva-a num passeio de barco e quase a beija, mas seu barco é virado antes que isso aconteça. Eric demonstra atração pela sereia, mas ainda anseia pela voz com a qual ele se encantou.

A bruxa se transforma em uma linda mulher e seduz o príncipe com a voz de Ariel. Eric marca seu casamento imediatamente. Os bichos do mar atacam a bruxa. Seu colar com a voz de Ariel quebra, trazendo sua voz e o príncipe de volta para a sereia. Mas é tarde demais para ele beija-la.

Ursula a faz de refém e oferece um trato ao rei tritão para liberta-la. Ele topa e ela pega todo seu poder. Eric busca ajudar Ariel porque não quer mais deixa-la. Ele consegue derrotar Ursula. E todos os seus prisioneiros ficam livres. Tritão vê que Ariel realmente ama Eric e transforma ela em ser humano.  Eles se casam.

 

ANÁLISE DO COACHING

A história de Ariel, no mundo real, pode trazer ideias que comprometem a essência das mulheres ao tentar manter sua identidade. Ariel salva o príncipe Eric e se apaixona por ele de imediato. Ele, apesar de ter uma vaga lembrança de sua voz ainda não conhece a sereia. Mesmo assim ela faz um pacto com Úrsula, que é definida por Sebastião como um demônio, para conseguir ficar com Eric.

 

A versão da vida real dessa história , seria pessoas entrando de cabeça em um romance, comprometendo suas necessidades e padrões mais profundos. Apenas porque querem a pessoa em sua frente.  A esperança de ver o homem mudar para se tornar o que a mulher quer é a aposta mais perigosa que alguém pode fazer em um relacionamento. Não que seja errado, mas é muito arriscado, porque a pessoa da tanto tempo a alguém que nunca mudou. Alguém que sempre demonstrou sinais de como seria a relação.  Se prestarmos atenção aos sinais de alerta ao longo do caminho, veremos que eles indicam em que direção nosso esforço está nos levando.

As pessoas mudam sim, mas só quando elas estão motivadas internamente. Deve haver uma decisão própria de mudança, e não uma força externa.

É diferente quando alguém que amamos reconhece que precisamos que mudem e decide que é fundamental a eles que o façam. Até ser importante para eles e não apenas para você, essa mudança não ocorrerá. E se ocorrer, não vai durar.

Perceber isso esclarece que esse tipo de aposta não é o único jogo que podemos fazer. Que há inúmeras opções que nos deixariam mais felizes e não nos fariam colocar tanta energia em algo que não nos trará o resultado pelo qual tanto ansiamos.

 

A mídia reforça a imagem de que passar por um drama, sofrer, superar obstáculos para enfim mudar uma pessoa é um caminho a ser seguido para se encontrar  a felicidade em um relacionamento. Filmes como 50 tons de cinza,  séries como Gossip Girl, tem o personagem central constantemente lutando para que a pessoa de seu desejo enfim se torne seu ideal.

Não podemos condenar completamente a mídia por transmitir esse tipo de ideal. A partir do momento em que mulheres acatam esse tipo de mensagem como sendo verdades absolutas, tornam sua prisão a um modelo ideal destrutivo um ciclo vicioso. Os filmes que mostram o drama de uma mulher que sofreu para conseguir o que queria são os que vendem. Mulheres vão ao cinema assistir ao Christian Grey e saem de lá hipnotizadas. Querendo um homem daqueles para elas. Acreditando cegamente que passar por um drama é bom para um relacionamento.

 

Deveria se escutar mais quando falam que um casamento acaba porque as mulheres acreditam que vão mudar os homens, e os homens acham que as mulheres nunca vão mudar.  O que acontece é o inverso, porque está implantado na cabeça da maioria das mulheres que os homens precisam mudar. Assim conseguiriam aquele ideal de romance que sempre viram se tornar verdade desde que eram pequenas e assistiam “A Pequena Sereia”

 

Ariel tem uma paixão pelo mundo dos humanos. Imagina que todos achariam que tem tudo o que precisa, mas quer conviver com pessoas. Ela diz que daria tudo para viver a vida que acredita que eles levam.  As pessoas tem tendência de superestimar conquistas e formas de viver que estão fora de seu alcance. É fácil considerar “a grama do vizinho mais verde” sem ter passado pelo que passaram para chegar onde estão.

 

Existe um padrão atualmente de como devemos viver nossas vidas para que sejamos “felizes”, ser bem sucedido profissionalmente, casar, ter filhos, ter um bom relacionamento com sua família. Assim como a pequena sereia idealiza um mundo que na verdade  desconhece, nós idealizamos conquistas as quais ainda não alcançamos.  Todas podem ser boas e nos trazer felicidade. Mas apenas se buscadas da maneira correta. O que acontece é que as pessoas ficam tão obcecadas em conseguir alcançar tais metas, que para isso passam por cima de sua individualidade, de outras pessoas, se submetendo a chefes centralizadores, namorados e namoradas que tratam o conjugue como um objeto e para manter o relacionamento o individuo abre mão de partes essenciais de si, consequentemente sofrendo uma automutilação.

 

Em troca de ter a vida ideal a sereia oferece seu maior dom para a  bruxa dos mares, sua voz. De todas as sereias do mar seu pai ansiava apenas pela voz de Ariel, que era a mais bela no dia de seu concerto. É através de sua voz que consegue com que os outros façam coisas por ela, como convencer um peixe muito medroso de acompanha-la em suas aventuras. E é através de sua voz que chama a atenção do príncipe. De todo o conjunto da sereia, a característica que o príncipe guarda é sua voz. É dela que o príncipe não consegue esquecer, apenas de sua voz, e é justamente disso que a sereia em sua ansiedade de obter seu amor a qualquer custo, abre mão.

Diante de dificuldades o ser humano busca abreviar seu caminho para obter prazer mais rapidamente. Nessas tentativas acaba-se entrando em vícios, que superficial e momentaneamente nos satisfazem. O que acontece é que quando optamos por um vício, estamos optando também por não buscar soluções concretas para nossos obstáculos. Quando se deixa de lado a necessidade de soluções paramos de crescer. Com a estagnação de uma pessoa, ela deixa de sentir prazer por quem ela é. Então, sua única fonte de prazer será o vício. Ele é breve, passageiro, mas aparentemente ainda é um prazer, que recobre as necessidades reais da pessoa que opta por ele, e uma possível saída mais duradoura, de situações que aprisionam.

No caso da pequena sereia, seu sofrimento pelo príncipe Eric e pela injustiça que seu pai cometia com ela, de proibi-la de entrar em contato com o mundo dos humanos estava intolerável. A única forma que ela conseguiu enxergar de se livrar dele era fazer um pacto com a bruxa dos mares. As enguias que a convenciam que ela devia seguir esse caminho representam as tentações que os seres humanos sofrem antes de entrar para o mundo de um vício.

A primeira impressão de Ariel era a de que seria uma loucura falar com a bruxa dos mares. Mas ela descarta sua intuição e segue seu desejo, colocando-se em risco de perder seu maior dom para o resto de sua vida, sua voz. Ariel ainda topa perder sua natureza ( sua cauda de sereia) e arrisca perder sua liberdade, pois se não conquistasse o príncipe a tempo estaria condenada a ser escrava da bruxa dos mares para o resto de sua vida. As enguias representam portanto as portas de entrada para o mundo dos vícios: um amigo que oferece drogas, um homem bonito ( que disfraça agressões a mulher) , um padrão de comportamento imposto pelo meio, etc.

A pequena sereia faz um trato com a bruxa e coloca seu destino nas mãos do príncipe. Assim, ela perde todo o controle de seu destino e se coloca como dependente de um terceiro.  O amor verdadeiro se manifesta quando estamos alinhados com nosso propósito. Quando isso acontece, a união com o outro traz prazer, alegria, mas isso parte de um sentimento que já existia antes nos dois individualmente. A felicidade individual não depende do outro. O que Ariel faz no filme é colocar sua felicidade nas mãos do príncipe. A partir daí não existe amor verdadeiro, pois a felicidade dela depende das ações de um terceiro, que se seguirem um esquema, podem fazer a sereia muito feliz. Mas se as coisas não forem conforme o que ela espera sua vida pode vir a ruir. Isso não é amor, é dependência.

Ursula ainda fala que homens não gostam de mulheres que falam muito, preferem as quietas. Sua frase reforça um comportamento de anulação, comum em mulheres que pensam que devem falar pouco para se encaixar no modelo de “sexo frágil”. Criar esse tipo de mentalidade, faz com que os relacionamentos fiquem destrutivos para ambos os lados. Toda vez que uma mulher não tem voz ela pode ter rompantes de estresse para aliviar os sentimentos que acumula, ou entrar em depressão. De qualquer maneira o relacionamento é prejudicado.

Em seu reencontro com Eric, Ariel já está sem voz. O príncipe percebe que ela não poderia ser a mulher por quem ele se apaixonou, pois ela não tem aquela voz que o atraiu inicialmente. Isso acontece com muitas mulheres. O homem se atrai por uma característica bela, e em sua ânsia de construir um personagem de acordo com o que a sociedade manda, ela anula a característica. Na verdade era o que formava sua beleza essencial. Assim, quem inicialmente se sentiu atraído se confunde, buscando resgatar, em vão, aquilo que ela tinha de melhor.

Ariel não se impressiona quando tentam comer seu fiel amigo,  o siri Sebastião. Ele corre um risco sério, e se ela seguisse sua natureza, aquilo deixaria a sereia horrorizada. Tinham acabado de tentar assassinar seu amigo, mas ela está tão deslumbrada com o novo mundo que desconsidera o fato. Muitas relações abusivas passam por isso. Mulheres ficam tão envolvidas com uma qualidade, como um homem muito bonito, um homem rico, um prazer corriqueiro, uma boa eloquência, que fecham os olhos para fatores destrutivos como traições, agressões físicas, agressões verbais. Isso destrói a essência da mulher, mas ela continua se prendendo ao fato de que pelo menos tem um homem para mostrar.

Mesmo que exista um relacionamento, quando a mulher não está em sua essência, a relação ansiará por algo mais. Na cena em que o príncipe está na canoa com Ariel, ele quase a beija( o que estabeleceria uma relação), mesmo assim ele ainda anseia pela voz que o seduziu inicialmente.

Ariel acaba derrotando a bruxa e se casando com o príncipe. Ela precisa detonar com o ser que queria destruir sua natureza para conseguir ter seu final feliz. No filme, no entanto, Ariel passa a viver em um mundo que não é seu. Para uma história de crianças é bonito de contar. Mas usando como metáfora, a continuação desse casamento teria sido muito mais feliz se nenhum dos personagens tivesse perdido uma parte de si. Não se deve abrir mão de nossas barbatanas para encantar príncipes que vimos poucas vezes na praia.

Leave a Comment