Todos os Posts

Coaching para Piratas do Caribe : Maldição do Pérola Negra

piratas-do-caribe-5-e-adiado-por-problemas-no-roteiro-fe-em-jesus

 

Resumo do Filme

“Bebam companheiros, io-ho. Io-ho, io-ho, é a vida que eu quero para mim.” No filme Piratas do Caribe, Elizabeth começa cantando e acha que seria emocionante encontrar um pirata. Um menino, Will Turner, é resgatado da água após o incêndio de um navio próximo. Ele usa um colar com o emblema dos piratas e Elizabeth o pega.

Jack Sparrow, um pirata de andar e vestimentas excêntrico aparece no cais.

“Este cais é proibido a cidadãos” – Soldado

“Desculpe, eu não sabia. Se eu vir algum vou informar-lhe devidamente.”- Jack Sparrow

Um navio ataca o castelo e sequestra Elizabeth, filha do governador. A menina tem um medalhão asteca que é a última peça necessária para acabar com uma maldição que caiu sobre os piratas. Além das peças, eles precisam do sangue de Turner.

Jack Sparrow salva o menino oferecendo a possibilidade de saquear o navio real antes de virar mortal ao capitão Babossa. A maldição os tornou imortais, então seria mais fácil roubar de soldados humanos sob essa condição. O capitão Babossa topa.

Will Turner derrama seu sangue sobre as medalhas fazendo com que os piratas amaldiçoados voltem a ser humanos. Jack Sparrow, que esperou anos para se vingar de seu traídor, atira a bala de seu revolver em Babossa. Assim o capitão volta a sentir, mas apenas por uma fração de minutos antes de morrer.

Jack retoma seu navio, o Perola Negra, agora com uma tripulação formada que deixou de se apegar a códigos e se tronou leal. Will Turner declara seu amor por Elizabeth que abre mão do Comodoro para ficar onde seu coração está.

Coaching para Jack Sparrow

A analise de Piratas do Caribe será feita com base nos comportamentos que destacam a produtividade no trabalho. Existe uma competição incessável entre os piratas e capitães no filme. Da mesma forma, qualquer que seja a profissão que se escolha, existe uma competição se ela se inserir em um sistema capitalista.

Jack Sparrow começa sem navio, sem piratas e apenas com o título que ele mesmo se dá de capitão. Para quem o vê a primeira vista fica uma dúvida de se um personagem excêntrico assim realmente conquistará algo. Jack chega determinado a conseguir um navio e ir a Tortuga para juntar sua tripulação.

Empresas e profissionais muitas vezes dão muita importância a recursos tangíveis, relegando a segundo plano seus recursos intangíveis. Essa ação pode frear muito o desempenho. Vejamos que Jack começou sem qualquer recurso material, mas seu treinamento e desempenho fizeram com que ele derrotasse o outro capitão e retomasse o Pérola Negra, seu navio precioso. Voltando a ser capitão, o pirata poderia obter muitos tesouros e conquistou a lealdade de uma equipe.

Pensemos em países como grandes empresas. Os países com mais recursos são os mais desenvolvidos? Com certeza não. Os países mais desenvolvidos são os que mais investiram na capacitação humana. Países altamente capacitados incluem Suíça, Belgica, Japão, Cingapura, Alemanha. Estes países são pobres em recursos naturais.  Em compensação, podemos apontar países como a Venezuela e a Arábia Saudita que possuem muitos recursos, mas investiram mal em capital humano. O mesmo cenário se reproduz em empresas. Falo aqui em empresas, mas empregados devem pensar como donos para se sobressaírem em suas áreas, portanto os comportamentos valem para qualquer trabalhador.

Ter uma tripulação era o primeiro objetivo de Jack. Assim como a tripulação de uma empresa deve ser um de seus principais objetivos. Muitas falhas são justificadas com a falta de recursos financeiros. No entanto o uso de comportamentos construtivos otimizam recursos intangíveis que resultam em maior desempenho do todo. É possível desenvolver muita coisa com pessoas empenhadas. E para isso não é nem mesmo necessário pagamento de salários altos. A zappos é uma empresa que paga salários baixos para seus funcionários e tem uma grande disputa por suas vagas, porque proporciona um ambiente agradável e acolhedor. O dinheiro é apenas uma das motivações das pessoas para trabalhar em um lugar.

Quem é funcionário também aumenta seu valor ao investir em seu próprio desenvolvimento. Com o tanto de informações que temos disponíveis de forma gratuita na internet, é fácil fazer isso sem custo algum.

Quando o Comodoro fala para Jack que ele é o pior pirata de que já ouviu falar, Jack retruca dizendo, “mas você ouviu falar de mim”. As respostas e ações de Jack Sparrow demonstram uma grande consciência do que acontece ao seu redor. Assim como ele faz, é importante em carreiras que se assuma uma liderança. Existem diferente estilos de liderança. Uma dos estilos do pirata é fazendo com que todas as suas experiências trabalhem para ele de alguma maneira. Sparrow enfrentou dificuldades e fracassos, e utilizou desses para prever os comportamentos de seus adversários e esperar a hora certa de agir. Mais de uma vez no filme, ele se preocupa que Will tome alguma decisão precipitada, botando todo seu planejamento a perder.

É de grande importância que em nossas carreiras saibamos a hora certa de colocar em pratica algumas decisões. Decisões tomadas em horas erradas já comprometeram muitas empresas.  A Microsoft, por exemplo, lançou um programa chamado terra server, que estava a frente de seu tempo, eles descontinuaram o projeto e hoje o google Earth atende perfeitamente às funções do programa oferecido pela Microsoft.

Decisões constantemente postergadas também deixaram muitas para trás. A Kodak foi uma empresa que desenvolveu maquinas digitais quando estas ainda não estavam em alta, mas evitou a venda por medo de parar a venda de filmes. Eventualmente a empresa quebrou. A xerox desenvolveu muitos projetos inovadores, mas sem o lançamento desses no mercado perdeu espaço para outros espertinhos que estavam de olho.

Coloco como exemplo o nome de empresas, mas todas essas decisões dependeriam da iniciativa e visão de apenas uma pessoa. Você poderia ser essa pessoa no lugar em que você trabalha. Jack monta estratégias para suas ações muito bem elaboradas, unindo a elas um plano do momento oportuno para serem feitas. Ele não poderia encontrar momento melhor para usar a única bala de sua pistola, quando Turner quebra a maldição dos piratas e faz com que Babossa volte a ser mortal. Jack fez a realização do sonho de seu inimigo se concretizar apenas para ver a sua própria morte.

Quando presos na ilha, Elizabeth demonstra o controle de seu desejo por gratificação instantânea. Tomamos muitas ações no trabalho e em nossas vidas pessoais que nos trazem um prazer instantâneo. A geração Y não parece ter paciência para processos de longo prazo. Ainda que existam áreas que precisam de mudanças constantes que esse imediatismo nos traz, alguns processos só podem amadurecer e trazer frutos com o passar de prazos mais longos.

Elizabeth cede ao prazer da bebida no primeiro dia em que está na ilha. Mas no dia seguinte ela acorda Jack com uma enorme fogueira que acendeu ao acabar com todo o estoque de bebidas que os traficantes abandonaram na ilha. Ela sacrifica seu prazer imediato por uma causa maior que seria sair da ilha. Ações como ficar com a razão em discussões com grandes clientes, usar sempre mesmos métodos sem testar sua eficácia, prender-se em detalhes perfeccionistas, evitar burocracia são exemplos de escolha por um prazer imediato que sacrifica a possibilidade de ganhos muito melhores a longo prazo.

Quando Elizabeth é sequestrada pelo capitão Babossa, Will fala ao Comodoro que eles podem fazer um acordo com Jack Sparrow para os levar até ela. O Comodoro fala para ele nao cometer o erro de achar que é o único que se importa com Elizabeth. A diferença entre ambos, neste ponto, é uma que deve ser monitorada com frequência na carreira. Will está focado no resultado, ele quer Elizabeth de volta. O Comodoro está focado na ação, ele sabe que deve se esforçar muito para conseguir recuperar a moça.

Cometemos esse erro com frequência em nossas carreiras. Focamos mais em fazer o maior número de ações possíveis e isso no faz perder a direção. Quantas pessoas conhecemos que trabalham muito, mas parecem ficar estagnadas? Agir com afinco não é sinônimo de resultados. Concentrar esfrorços no que se quer gerar é uma maneira mais produtiva de se trabalhar. Se você trabalha apenas metade do tempo do que fazia antes mas consegue gerar mais resultados disso, você está trabalhando de forma mais eficiente e proveitosa.

Digamos por exemplo que seu objetivo seja fazer um discurso que alcance 6 milhões de pessoas. Você pode fazer isso aparecendo como convidado em um programa de televisão com audiência de 6 milhões de pessoas que se propõe a tratar do tema que você oferece. Ou pode fazer isso falando para 60 mil grupos de 100 pessoas individualmente. O resultado é o mesmo, o esforço empreendido não.

Jack foi traído por seus companheiros de bordo. Ele poderia usar essa situação como forma de justificar seu fracasso como capitão, mas ele estuda o comportamento de seus inimigos para derrota-los e recuperar o Perola Negra. Quanto mais encontramos coisas para nos preocupar, mais nos ajustamos a ideias de que as coisas não vão dar certo. As vezes isso faz com que as pessoas sabotem seus esforços na carreira para ter onde colocar a culpa.

Comportamentos como este, de autossabotagem faz com que as pessoas se vejam ainda com capacidade intacta. Isso protege o ego delas de ser ferido. Nesse sentido, seria um risco para Jack tentar recuperar seu barco porque poderia fracassar novamente. Se ele não fizesse esse esforço teria de fazer um esforço para se convencer de que sua situação atual, que era desagradável, não era tão ruim. Temos de tomar cuidado, porque também temos a capacidade de nos acostumar a situações negativas. Entre ambos os riscos, sempre corra o de tentar novamente. Porque há o risco também de dar certo.

Vejamos que Jack insiste apenas no sucesso de sua empreitada. Na cena em que chega ao cais, ele afunda um barco e abre mão dele. Muitas vezes não sabemos a hora certa de abrir mão do que vem a ser um mau negocio para nossas carreiras. Situações que exigem um alto investimento de tempo, dinheiro e esforços as vezes não nos trazem o resultado que esperamos. Como já colocamos tanto suor naquilo, no entanto, não queremos abrir mão de continuar. Muitas vezes o estigma de fracasso também nos faz insistir em coisas que não trazem resultado. Saber abrir mão de um barco naufragando pode abrir caminho para novas oportunidades que trarão os resultados desejados. Não estou sugerindo que deixemos os barcos afundarem para ficar bebendo o resto da vida em uma ilha deserta. Mas sim em deixar o barco afundar e entrar em outro barco que seja considerado o mais veloz do mundo, assim como Jack Sparrow fez.

A traição do capitão Babossa com Jack, também fez com que o pirata construísse uma equipe melhor e leal.  Inicialmente o pirata provavelmente se sentiu traído. Mas no meio desses sentimentos há um momento em que nasce um poderoso desejo de lidar  com pessoas que mantenham sua palavra e sejam integras. Como resultado disso, ao final do filme, sua nova tropa de piratas evita seguir regulamentos que destruam a unidade do grupo. Assim como este exemplo, temos que seguir as diretrizes de nossos fracassos e frustrações para nos apontar o melhor caminho a tomarmos a partir deles.

Ao final do filme, Will Turner ajuda Jack a escapar. Motivada pela ação de Will, Elizabeth protege ambos e diz que quer ficar com Will para seu pai, o governador. Nesse ponto do filme o rumo de três vidas muda totalmente em uma questão de minutos. Mas o que fez com que essa mudança acontecesse foram decisões. Muitas vezes os medos referentes ao desconhecido paralisam a pessoa, impedindo que esta  tome uma decisão.

Reclamar de um emprego, de seus companheiros de trabalho ou do ambiente deste não serve de nada a menos que se tome uma decisão.  Toda ação é precedida por uma decisão. São elas que determinam nosso destino. Então a próxima vez que estiver em uma encurzilhada, não hesite em escolher logo o que você acredita que fará recuperar seu Perola Negra mais rápido.

Leave a Comment